Teaching Mission Translations






Back to List of Translations
Print This Document

P-Rayson&Gabriel112104Announcement&Explanation

P-Rayson&Gabriel_21.11.04_Anncio&Explicao

P-SegundaComissoRevelatria_21.11.04-Gabriel&Rayson_Anncio&Explicao

Equipe de Northern Colorado, # 58

Loveland, Colorado

Data: 21 de novembro de 2004

Instrutores: Rayson e Gabriel, Brilhante Estrela Matutina

TR: Daniel Raphael

Temas:

Segunda Comisso Revelatria

Organizao, Pessoal E Funes

Declarao De Inaugurao

Expanso Dos Documentos De Urntia

Co-criao: Mortais, Seres Intermedirios E Melquizedeques

Desenvolvimento Natural: Racional, Razovel E Oportuno

Maquiventa O Presidente Inicial

Monjronson Assumir Quando Se Estabelecer

O Texto No Substituir Os Documentos De Urntia

Propsito: Responder a Perguntas E Proporcionar Informao Adicional

Depender Dos Progressos, No Do Tempo

Processo De Validao.

Perguntas E Respostas De Rayson:

Considerar Intenes Para a Participao

Como Os Trs Participaro?

Quem Publicar Estes Documentos?

Qual a Relao Com O Livro De Urntia?

Outros Aspectos Dos Objetivos

O Importante Papel Dos Mortais

Um Exemplo Dado Por Rayson

O Que No Ser Includo: Exemplo.

RAYSON: Boa tarde. Aqui fala Rayson (boas-vindas do grupo). um prazer estar novamente com vocs. Hoje temos o que vocs chamariam de "uma ocasio importante". Temos um convidado que apresentar o tema hoje, e damos a boas-vindas a Gabriel entre vocs.

GABRIEL: Aqui fala Gabriel. Bem-vindos, amigos, a um novo dia, a uma nova era na jornada de seu planeta para os Dias de Luz e Vida, para a chegada de suas civilizaes e povos luz. Estou aqui na presena de Cristo Micael e Nebadnia, do Conselho dos 24 e de Maquiventa Melquizedeque. Falo com a autoridade de nosso Criador Soberano, Cristo Micael de Nbadon. Este anncio de hoje para inaugurar a Segunda comisso Revelatria para a expanso e o desenvolvimento dos papis conhecidos como Documentos de Urntia. A Segunda Comisso Revelatria estar adjunta aos escritrios de Maquiventa Melquizedque, at que os escritrios de Monjronson estejam instalados e operacionais. Prevemos que este processo levar dcadas e que ser co-criativamente desenvolvido e trazido existncia com a assistncia de mortais, Seres Intermedirios, Melquizedeques e outros de maior autoridade, conhecimento e conscincia.

Alguns de vocs podero perguntar-se (ou j se perguntaram) porque os acontecimentos esto se passando to rpido em Urntia. Deixem-me dizer, meus amigos, que isso um desenvolvimento natural, que no o estamos precipitando, pois esses progressos so lgicos e razoveis, considerando que o julgamento (do processo Gabriel x Lcifer) j foi pronunciado, os circuitos de seu planeta foram renovados e restaurados (quase completamente), que Maquiventa Melquizedeque foi feito Prncipe Planetrio Soberano de Urntia, que Monjronson estar aparecendo em seu planeta em algum momento do futuro, que os documentos de Urntia foram publicados por mais de 50 anos, que o Tempo de Correo est em curso e que a Misso Instrutora est agora bem iniciada. racional, razovel e oportuno desenvolver agora os documentos que pressagiaro a chegada de Monjronson entre vocs e que sero completados com a assistncia dele.

Maquiventa Melquizedeque ser o Presidente da Segunda Comisso Revelatria, at que Monjronson se estabelea e se situe, para ento proceder Revelao de forma mais organizada e rpida do que esperamos que acontea por enquanto. Muito j foi preparado, proporcionado e compartilhado com vocs, estando agora incorporado aos arquivos (nota do Editor: tmarchives. com). Existe nos arquivos material que ser til para a expanso dos "documentos", como vocs os chamam. Isto ser preliminar. O material ser submetido Comisso. Tambm ser necessrio um comit conjunto ou grupo de mortais, Seres Intermedirios e Melquizedeques, que dissequem os "documentos" e trabalhem para formular perguntas a serem respondidas pela Comisso.

Estes textos no substituiro o Livro de Urntia o Livro de Urntia um fato consumado, est completo, integral em sua existncia, bem conhecido, est consagrado e agora sendo compartilhado como material escrito comum, sem limitaes. Estes novos documentos estaro separados, firmar-se-o por seu prprio direito e proporcionaro respostas a perguntas sobre o texto original do Livro de Urntia que no esto respondidas nele mesmo. Alm disso, partes do novo texto oferecero informaes coordenadas sobre a evoluo para os Dias de Luz e Vida, sob o reinado de Monjronson, seu Filho Magisterial.

Este anncio e o subseqente desenvolvimento da segunda srie de documentos de Urntia no se prope, destina ou tem interesse em ser uma ameaa s organizaes estabelecidas que apiam o Livro de Urntia ou dependem daquele texto. Vocs vero que, assim como a Misso Instrutora foi uma revelao pessoal sobre os ensinamentos do Livro de Urntia, esta ser uma valorizao e complementao do significado pessoal e enfoque da Revelao em forma escrita. Ela tornar mais compreensveis estes tempos traumticos em seu planeta, assim como a era subseqente e a era que vir depois dela.

Assim como ocorre com todos os acontecimentos do Tempo de Correo, esta revelao no depende do tempo, mas dos progressos que ocorram e que apiem o prximo passo, o prximo desenvolvimento que deva consubstanciar-se e ter lugar. Nesse sentido, por favor se lembrem de que a chegada pessoal de Monjronson tambm depende dos acontecimentos e no do tempo. Vocs vero que s vezes os acontecimentos em seu planeta retardam a aproximao e chegada de Monjronson, que por sua vez afetaro o completo e integral desenvolvimento do segundo texto. Por outro lado haver acontecimentos que facilitem e aumentem a oportuna materializao de Monjronson e do texto mais cedo do que tarde.

Semelhantemente a outros procedimentos do passado, estes tambm devero ser validados por TRs capazes e por outros em meditao com Cristo Micael e seus Ajustadores do Pensamento. Como este projeto estar em andamento por muitos anos, talvez at dcadas, o presente anncio no prev uma rpida organizao ou desenvolvimento de tais grupos, mas est sendo feito a vocs agora para tornar-se de conhecimento comum, para criar uma conscincia comum e aproximar interesses comuns, bem como unidade de pensamento e unidade de mente em relao a estes projetos. Ento podero ter incio as perguntas e o conjunto de escritos.

As perguntas que vocs tiverem sobre esta Segunda Comisso Revelatria e sua operao devero ser dirigidas a Maquiventa, que contar com uma equipe a ele subordinada para assistir nestes projetos. No temam falar diretamente com Cristo Micael ou Maquiventa, pois eles estaro de bom grado prontos a discutir este projeto. Desejamos-lhes o melhor. Ns que estamos hoje entre vocs os saudamos e fazemos reverncia, agradecemos sua assistncia e participao motivada, sua ansiosa expectativa de se integrarem, em nvel moroncial, com sua experincia mortal nestas atividades. Bom dia! (grupo: Obrigado, Gabriel).

Aluno: H algum mais que deseje falar conosco? (curta pausa)

RAYSON: Este Rayson. Belo pronunciamento, no? (sim, fantstico!)

Aluno: Obrigado por nos permitir participar deste processo.

RAYSON: Bem, no se trata de permitir, mas de encoraj-los para que decidam e examinem sua inteno de participar do processo. Ns os encorajamos a participar. No nos apenas permitido, mas facultado, encorajado e incentivado participar. Sua inteno e motivao vo determinar onde trabalharo nesta estrutura.

Aluno: Voc acha que isto comear com algo semelhante ao "indivduo adormecido", como no caso dos documentos originais de Urntia?

RAYSON: Haver semelhanas com esse caso, pois ser uma atividade simultnea atravs do mundo, com Trs competentes que trabalharo com mortais, e esses mortais com seus instrutores e Melquizedeques, para formularem perguntas apropriadas. As respostas viro de membros da Comisso Revelatria e de seus subordinados. Sim, existe uma semelhana com o "indivduo adormecido", mas apenas at o ponto em que os TRs participam. No haver qualquer pessoa que seja candidata preferencial, pois descobrimos, em trabalho anterior Misso Instrutora, que quase sempre as pessoas eram simplesmente incapazes de remover seu ego dessa atividade. Alm disso, os observadores muitas vezes supervalorizavam o indivduo transmissor, admirando-os e elogiando-os como gurus. Isso extremamente perigoso. Utilizaremos muitos TRs que estejam abertos e sejam capazes de convalidar os ensinamentos pelo mundo afora. (Obrigado) De nada.

Aluno: Haver algum grupo responsvel pela publicao destes novos documentos, como a Fundao Urntia?

RAYSON: Estas questes referentes organizao devem esperar a passagem de muitos meses, se no anos, at que uma entidade organizada seja autorizada. Esperamos uma atividade semelhante ou paralela que ocorreu com os arquivos: haver indivduos altamente motivados e dedicados a essa atividade, os quais tomaro a iniciativa (de publicar os documentos). Esperamos que haja globalmente comits, organizaes ou instituies regionais em outros idiomas como este grupo aqui atravs do mundo, que faam contribuies em seus idiomas para este esforo.

Como este anncio novo, as pessoas comearo a pensar sobre o assunto e o significado deste projeto ser compartilhado globalmente como uma descoberta, uma tomada de conscincia, um "r, r!"de participao. Atividades ou descobertas de uma s mente so comuns em seu mundo, como vocs bem sabem, sejam elas descobertas cientficas, concluses filosficas ou a ref;exo em comum de muitos indivduos que pensam ao mesmo tempo sobre um assunto, sem se consultarem uns aos outros. Isso ajuda? (Sim).

Aluno: Isso significa estar sob o guarda-chuva do Livro de Urntia? (Rayson: no). Porque h muitos autores e outras coisas envolvidas?

RAYSON: No, isso no vir sob a tutela ou autoria, nem ter relevncia para a Primeira Comisso Revelatria. Este um avano independente e autnomo, cujo texto se relacionar, claro, a revelaes passadas e acontecimentos que tero lugar em seu mundo. Minha resposta esclareceu isto para voc? (Sim)

Suas perguntas esto excelentes hoje muito obrigado. Isso ajudar os leitores e outros que vocs nem vem. Mais perguntas, mais idias?

Aluno: Ns receberemos mais detalhes ou ensinamentos aprofundados sobre a vida de Jesus, semelhantes aos que esto nos documentos de Urntia?

RAYSON: No. Em ltima anlise este texto ir: 1) aumentar os ensinamentos do Livro de Urntia. 2) dissecar reas no reveladas. 3) responder a perguntas sobre assuntos do Livro de Urntia que no foram tratados ou questionados por mortais e 4) relacionar-se era do Filho Magisterial e s eras de desenvolvimento subseqente de suas civilizaes.

Aluno: Isto tem alguma relao com o tema de "viagens no tempo"?

RAYSON: No.

Aluno: Parece que a evoluo deste material necessitar de mortais e de trabalho em conjunto dos TRs com outros de diferentes comits?

RAYSON: Exatamente. Ele no vir existncia e no se completar, a no ser que mortais no-Trs participem tambm. essencial que seja desenvolvido e completado co-criativamente. Isto significa que os indivduos participantes de grupos como este faro bem em considerar o texto do Livro de Urntia e formular perguntas. Posso dar-lhe um exemplo:

Vejamos em termos gerais. Digamos que seja apresentado um conceito no Livro de Urntia e entregue a voc. Voc tem uma pergunta digamos que relacionada ao Corpo de Reserva do Destino, por exemplo o Livro de Urntia diz que existe um Corpo de Reserva do Destino em seu planeta, o qual assiste na realizao e desenvolvimento do processo de levar seu planeta aos Dias de Luz e Vida aqueles indivduos que ajudam consciente ou inconscientemente o desenvolvimento desse bem maior. A maioria ignora seu prprio trabalho e alguns o conhecem. Ento voc l isso e diz: "Formidvel. Eu me pergunto se sou parte do Corpo de Reserva do Destino". O que permanece sem resposta so as perguntas relativas ao estabelecimento de tal Corpo, como por exemplo: Por que foi estabelecido? Quem escolhido para ele? Como so avaliados os candidatos? E assim por diante. O que voc no est perguntando como so as pessoas escolhidas para integrarem o Corpo de Reserva do Destino.

Esta uma tima pergunta, e se voc fosse formul-la, ns lhe diramos que existe um corpo de seleo de candidatos que seleciona os indivduos algumas geraes antes de sua chegada, para colocao e desenvolvimento em pontos crticos de seu governo, economia, comrcio, filosofia e todas as vrias grandes categorias da atividade humana. E algum estudante sbio, curioso e inquisitivo perguntaria: "Bem, como vocs sabem disso, geraes antes?" E a resposta seria que assim como foi revelado no Livro de Urntia, h mecanismos de predio para o esclarecimento que aparecer nas futuras geraes. Seus Ajustadores do Pensamento conhecem bem esses mecanismos. Havia quase uma antecipao segura, quase uma expectativa de que vocs, cada indivduo aqui, chegaria na gerao em que chegou, e que vocs teriam traos particulares e peculiares, caractersticas, temperamentos e inteligncia que os predisporiam a certos modos de pensar e agir, e que por meio da influncia de seus pais e de geraes anteriores - talvez at mudando de um pas para outro os auxiliariam em seu desenvolvimento e eventual participao.

Muitos de vocs poderiam achar que isso pensar magicamente, porque os instrumentos atuariais de predio que vocs utilizam para suas previses econmicas e sociais no esto em sintonia com essa escala incrivelmente finita. Mas se tivessem conhecimento ntimo de cada indivduo em seu planeta, como transmissor de dados e informaes sobre sua vida, vocs poderiam ter ferramentas de predio incrivelmente poderosas, at mesmo com os instrumentos primitivos que agora utilizam. Mas vocs apenas extraem como amostra uma pequena porcentagem da populao ou das tendncias, para predizer ou prever o que acontecer. Se tivessem o poder de avaliao e o volume de dados que tm os Altssimos, vocs tambm seriam capazes de entender o que ocorrer em seu planeta dentro de geraes.

At mesmo agora, as dificuldades que vem em seu planeta foram previstas h muito tempo. Elas eram facilmente previsveis h mais de cento e cinqenta anos. Dado o conhecimento ntimo da mecnica humana, o desenvolvimento da mente, as melhoras generacionais de mentes a crescerem, trabalharem e conceberem tecnologias, at as negativas, tudo previsvel. Por exemplo, a utilizao do DDT foi por algum tempo uma influncia muito poderosa em seu planeta, para controlar a malria e outras doenas transmitidas por insetos. Agora vocs consideram o DDT como muito prejudicial prognie de muitas at todas as espcies em seu planeta, e no o utilizam mais. Contudo, a existncia dessas substncias qumicas primitivas era facilmente previsvel e seus efeitos tambm. O que ocorreu ento foi que as populaes cresceram naquelas reas em que de outra forma teriam sucumbido a infestaes de malria. Seu trabalho na terapia gentica foi previsto muito tempo atrs, e os efeitos de sua prtica da terapia gentica devero ter grande influncia em seu planeta e nas populaes que viro.

Eu estendi amplamente esta anlise, para dar-lhes muitos exemplos do que se conhece sobre seu planeta, apenas a partir de uma questo sobre uma ilustrao do Corpo de Reserva do Destino como ponto de referncia. Quantos outros exemplos no Livro de Urntia esto disponveis para vocs? Vocs faro bem em pensar inquisitivamente, curiosamente, sobre os acontecimentos que tiveram lugar em seu planeta e por meio daqueles assuntos do Livro de Urntia que foram dados a vocs. Como eles ocorreram? Quem escolhido, por exemplo, para o Corpo de Reserva do Destino? Como se sabe que eles esto trabalhando? Teria sido quando ingressaram no mercado de trabalho depois dos 21 anos, ou depois que terminaram a universidade ou sua formao, ou eles se revelaram promissores em algum trabalho em particular? Estas so todas boas perguntas, e quanto mais profundas as questes vocs formularem, mais material lhes ser dado em troca. (Pausa)

No vou proporcionar mais ilustraes, a no ser que vocs tenham mais perguntas sobre o que no entenderam do que expus at agora.

Aluno: Bem, eu tenho uma pergunta. H um membro de nossa Fraternidade que tem muito interesse e que dedicou muita reflexo e ponderao sobre algumas questes bsicas da fsica. Eu me pergunto se nos sero fornecidos conhecimentos sobre esse campo, no qual este indivduo acha que muito do nosso pensamento sobre a fsica quntica moderna est dirigido direo errada. Apenas me pergunto se nos ser proporcionada assistncia para trazer nosso entendimento mais prximo realidade.

RAYSON: Isso dependeria de qual realidade voc quer dizer, a realidade do universo fora do plano material, ou a realidade dos planos materiais em que vive. De qualquer forma, as perguntas no sero respondidas at que o indivduo as formule a outros, a si mesmo ou a seus guias espirituais. Voc pode confiar que no daremos assistncia direta de revelao em termos de frmulas cientficas, mas insistimos em que os indivduos investiguem esses aspectos dentro da capacidade de suas mentes, ao pedirem assistncia. Esta uma resposta limitada, creio, para a sua pergunta, mas a melhor que posso dar-lhe neste momento. H alguma outra pergunta a respeito do que voc tem em mente? (Pausa)

Deixe-me responder ento, no sentido de que sua nao e sua cultura se tm desenvolvido excepcionalmente rpido no campo tecnolgico, no mecnico, e nos campos lineares do raciocnio e do pensamento, e que h pouco a aumentar nesse campo, a no ser naquelas reas como energia, tal qual discutimos anteriormente. A energia de ponto-zero um projeto muito benfico que ajudar sua civilizao a manter padres de vida crescentemente melhores, e que ter efeitos de longo prazo em seu mundo. Embora seja um progresso tecnolgico, os efeitos negativos sero muito menores do que os seus efeitos benficos.

O ponto focal da discusso de hoje a Segunda Comisso Revelatria e sua operacionalizao, sua organizao, pessoal e funes. Se no houver mais perguntas sobre o tema, encerraremos a sesso.

Aluno: J vimos antes, creio que nos Documentos de Urntia, que o nosso desenvolvimento tecnolgico excedeu de muito o nosso desenvolvimento espiritual (Rayson: Correto). E parece agora que em nosso planeta h uma grande necessidade de maior habilidade para ns humanos aceitarmos uns aos outros e aprendermos a viver juntos e resolver conflitos.

RAYSON: verdade (Pausa). No ouvindo mais perguntas, este Rayson foi um prazer estar com vocs aqui hoje, e ter participado deste anncio como seu instrutor. Obrigado por seu amor e ateno hoje, bom dia (Grupo: Obrigado, Rayson, pela informao adicional).

Traduzida por Frederico em Braslia, 15 de janeiro de 2005.

END